Fecundação

Cerca de catorze dias depois do início do período menstrual ocorre a fecundação. Isso acontece quando o gâmeta de um indivíduo do sexo masculino se une a um gâmeta de um indivíduo do sexo feminino para formar uma única célula. Esta célula é chamada de zigoto até que comece a crescer através da divisão celular.

Nos animais o gâmeta masculino é o espermatozóide e o gâmeta feminino é o óvulo. Nestes a fecundação pode ser externa, como no ouriço-do-mar, em que os óvulos libertam moléculas que atraem os espermatozóides dos machos da mesma espécie, havendo um mecanismo de reconhecimento que permite que não se efectue uma união entre gâmetas de animais de diferentes espécies; ou interna, como nos seres humanos, em que a fecundação ocorre dentro do corpo da fêmea, desta forma aumenta as chances de sucesso na reprodução.

A imagem mostra como ocorre a fecundação na espécie humana
.
Imagem1.png
Na mulher a ovulação ocorre aproximadamente a cada 28 dias; isto é, um folículo maduro que se encontra num dos seus dois ovários rompe-se e liberta um oócito II. Este encaminha-se para o útero através da trompa uterina onde normalmente ocorre a fecundação.
Numa ejaculação são libertados cerca de 500 milhões de espermatozóides; para que ocorra a fecundação, é preciso que pelo menos 20 milhões de espermatozóides penetrem o corpo da mulher de uma só vez. Eles penetram a vagina e procuram nadar através da cérvice (abertura para o útero) para a trompa uterina. Se a mulher se encontrar no período fértil o colo do útero para além de se encontrar mais aberto vai conter um muco cervical mais fluido e com a rede de fibras mais aberta permitindo que os espermatozóides entrem (cerca de 1% dos espermatozóides contidos no ejaculado) estes dirigem-se para as trompas ao encontro do oócito II, ocorrendo mais tarde a fusão de um deles com o oócito II após ter conseguido atravessar a zona pelúcida (reacção acrossómica), mal isto acontece as células foliculares glandulares que envolvem o oócito II retraem-se e o oócito II completa a Divisão II da Meiose. Ao mesmo tempo liberta-se o conteúdo dos grânulos corticais formando a membrana de fecundação que não vai permitir a entrada de mais espermatozóides.



Imagem3.jpg

Após estar completa a Divisão II da Meiose e formado o óvulo os núcleos dos dois gâmetas fundem-se (Cariogamia) e forma-se o Ovo, com uma totalmente nova associação de genes e que vai caracterizar o indivíduo por toda a sua vida do ponto de vista genético.

Resumindo...
Imagem4.png

Depois da fusão, o zigoto divide-se rapidamente e avança em direção à cavidade uterina, onde ocorre a nidação, caso esta se encontre preparada para recebê-lo. Na zona de implantação desenvolve-se mais tarde a placenta, órgão de estrutura muito complexa, por meio do qual o feto se nutre, respira e elimina secreções.




Voltar


Desenvolvimento embrionário

O desemvolvimento embrionário dura cerca de oito semanas, ao fim fas quais todos os orgãos estão já totalmente esboçados.


Imagem1.jpg

No periodo embrionário, o ovo, por numerosas divisões mitóticas (inicio do crescimento), forma um embrião que se implanta no endométrio. Quando chega o útero, 4 dias após a fecundação, o embrião chama-se mórula, flutua livremente e é alimentado por secreções uterinas. Desenvolve-se passando a blastocisto.

O blastocisto apresenta duas partes ou conjunto de células.
Botão embrionário - massa de células que origina o corpo fetal.
Trofoblasto - delimita uma cavidade interna achatada para onde faz saliência o botão embrionário. Participa na formação da placenta.

A nidação ocorre quando o embrião (blastocisto) se implanta no endométrio 6 a 7 dias após a fecundação. As células do trofoblasto produzem enzimas que digerem localmente o endométrio.
O botão embrionário continua a crescer por divisões celulares e ocorrem movimentos de territórios celulares (inicio da morfogénese).
Começa a formar-se um anexo embrionário - o córion - que possui vilosidades. Estas mergulham em lacunas do endométrio, preenchidas por sangue materno devido à ruptura dos capilares. Cerca de 11 ou 12 dias após a fecundação o embrião encontra-se totalmente coberto pela mucosa uterina.

O embrião desenvolve-se formando três camadas celulares embrionárias com posições determinadas: a endoderme, no interior, a ectoderme, no exterior, e a mesoderme, posicionada entre as duas primeiras. A partir destas três camada ou folhetos embrinários constituem-se, por diferenciação celular, os diferentes tecidos e órgãos do novo ser, formando-se, também estruturas transitórias ( só existem até ao nascimento), os anexos embrionários.


Imagem_t.png

Durante todo o desenvolvimento embrionário ocorrem três processos fundamentais:
  • Crescimento - por multiplicação das células (mitose) e aumento do seu volume;
  • Morfogénese - movimentos de territórios celulares que se posicionam em função das estruturas que vão formar. São originadas três camadas de células embrionárias;
  • Diferenciação celular - especialização estrutural e bioquímica da ectoderme, endoderme e mesoderme no sentido da formação de tecidos, órgãos e sistemas de órgãos.

Anexos embrionários:
Imagem.jpg

Âmnio - menbrana que delimita a cavidade amniótioca, cheia de liquido amniótico. Forma um saco que protege o embrião da dessecação, de choques mecânicos e das variações térmicas.
Córion - membrana mais exterior que, com o âmnio, rodeia o embrião e intervêm na formação da placenta, formando uma extensa superfície de trocas.
Vesícula vitelina e alantóide - muito reduzidos, incorporam o cordão umbilical.
Placenta - órgão em forma de disco que resulta da fusão do córion com o endométrio uterino. Responsável pelas trocas selectivas de nutrientes e produtos de excreção entre o embrião e o corpo materno.


Imagem_e.jpg

Voltar
Desenvolvimento Fetal
O período de desenvolvimento fetal, decorre desde a 8ª semana até eo nascimento e é um tempo de crescimento e desenvolvimento adicional das estruturas que se diferenciaram durante o período embrionário.
Durante o período fetal ocorre também uma evolução do comportamento do feto à medida que o sistema nervoso se desenvolve.

Ao longo destas semana o feto vai assumir estas formas:

Imagemf.jpg

Imagem17.jpg

Imagem21.jpg
Imagem25.jpg


Imagem30.jpg

Imagem36.jpg

Ao fim de cerca de 40 semanas após a fecundação, o feto está totalmente formado e preparado para o nascimento, iniando-se o trabalho de parto.

Voltar